segunda-feira, 18 de outubro de 2010

ECONOMIA EM ALTA GERA GANHO EXTRA

Resultados recordes nas empresas trazem perspectivas favoráveis no que se refere ao pagamento de bônus e de prêmios a funcionários. Principais beneficiados serão os profissionais do alto escalão.

Trabalho

Vendas aquecidas geram resultados recordes para as empresas. Ganhos se refletem em renda extra aos profissionais

O bom momento da economia nacional, com crescimento próximo a 8% no ano, ocasionou otimismo generalizado e perspectivas favoráveis como nunca no quesito pagamento de bônus e Participação nos Lucros e Resultados (PLR) das empresas para os trabalhadores brasileiros. Devido à superação de metas em quase todos os setores, a ansiedade é grande por prêmios, dinheiro, ações e aportes em planos de previdência privada, que ultrapassarão em até 30% o montante pago em relação ao desempenho de 2009. Especialistas do setor de recursos humanos estimam que os ganhos extras chegarão a 20 salários este ano, a depender da categoria e do posto ocupado.

Os principais beneficiados pelo pagamento de bônus são os profissionais de alto escalão. Não é à toa que uma pesquisa divulgada pela Robert Half aponta que os executivos brasileiros lideram o ranking mundial de confiança. O relatório Global Financial Employment Monitor comprova que 98% dos executivos do país estão otimistas em relação ao crescimento das companhias onde atuam. Outro dado interessante é que eles são os mais preocupados com a retenção dos profissionais da área financeira em comparação aos executivos em outros países — apenas 23% dos brasileiros que lideram nesta área não apresentam nenhuma preocupação.

Gratificação

Nesse contexto, o pagamento de bônus e de participação nos lucros se apresentam como algumas das principais ferramentas para reter esses profissionais.

William Monteath, diretor de Operações da empresa de recrutamento Robert Half no Rio de Janeiro, estima que os profissionais na área de mercado financeiro obterão os bônus mais altos referentes ao desempenho de 2010 — superiores a 20 salários. “Já quem atua na área de finanças, como gerentes de contabilidade, por exemplo, deve obter ganhos extras na faixa de três a seis salários”, sugere. Monteath destaca ainda os bônus pagos aos que atuam no setor de vendas, que devem superar o projetado pelas empresas devido ao aquecimento do mercado.

Amanda Martins, 24 anos, que o diga. Ela trabalha em uma imobiliária e coordena uma equipe de 38 corretores especializada em vendas a prazo de imóveis de um e dois quartos. A empresa onde atua incentiva os vendedores com bônus, que vão de aumento das comissões a sorteio de prêmios para quem atinge metas. O grupo de Amanda vendeu nove apartamentos em uma semana, resultado que rendeu à corretora, além de gratificação extra, um carro 0km. “Essas premiações existem porque o mercado imobiliário do Distrito Federal está aquecido. Brasília tem muitos investidores e pessoas que estão comprando o primeiro imóvel”, comenta Amanda.

Também atuante na área de imóveis, a Brookfield implantou, no ano passado, uma política de participação nos lucros que beneficia todos os colaboradores, desde serventes de pedreiro a engenheiros e diretores. Desde 2003, a empresa inova e oferece Incentivos de Longo Prazo (ILP), na forma de ações da companhia na bolsa aos profissionais do alto escalão. “Quanto mais a empresa se valorizar maior será o ganho deles. Além disso, o comprometimento aumenta na medida em que a pessoa se sente um pouco dona do negócio”, diz a superintendente de recursos humanos da construtora, Lygia Fray Villar.

Autor(es): Gustavo Henrique Braga
Correio Braziliense - 18/10/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário