quarta-feira, 6 de julho de 2011

"Índice de miséria" segue baixo no país, ainda estimulando o consumo


A soma da taxa de desemprego e da inflação segue no mesmo nível desde dezembro do ano passado, mantendo-se em patamares baixos para padrões brasileiros. O recente aumento do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado em 12 meses foi compensado pelo recuo da taxa de desocupação, feito o ajuste sazonal. Em maio, o chamado "índice de miséria" ficou em 12,4 pontos, resultado da combinação de um desemprego de 5,8%, em termos dessazonalizados, e de um IPCA de 6,6% em 12 meses, segundo números da MB Associados.

Nos últimos seis meses, o indicador tem oscilado entre 12,2 pontos e 12,4 pontos. É um pouco acima da mínima atingida em agosto e setembro de 2010, de 11,1, mas confortavelmente abaixo da média de 16,9 observada entre 2002 e 2009. Para o economista-chefe da MB Associados, Sérgio Vale, é um patamar que ainda tende a estimular o consumo, embora com menos intensidade do que no melhor momento do ano passado.

"O "índice de miséria" é um conceito tradicional que mede a percepção da população em relação a sua situação econômica", diz Vale. A queda mais significativa do número se deu a partir de 2006, período a partir do qual a popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva subiu com força, até atingir níveis recordes, superando os 80% de aprovação.No começo do governo Lula, porém, o "índice de miséria" alcançou números bastante elevados, chegando a beirar 30 em maio de 2003. O desemprego chegou a 12,5% e o IPCA em 12 meses, em 17,2%, com o forte impacto inflacionário provocado pela desvalorização do câmbio ocorrida no ano anterior.

Com a redução da inflação para níveis mais próximos do centro da meta perseguida pelo Banco Central, de 4,5%, e a progressiva queda do desemprego, o "índice de miséria" caiu bastante nos anos seguintes. No terceiro trimestre de 2009, chegou à casa dos 12 pontos.

Vale não acredita em novas reduções expressivas do indicador daqui para frente. Ele espera que o índice termine o ano em 11,9, considerando que o IPCA fecha 2010 em 6,3% e a taxa de desemprego em 5,6%, na série com ajuste sazonal. Desse modo, a percepção da população em relação à situação econômica tende a ficar estagnada, um quadro que pode se repetir até 2014, acredita Vale, por não ver uma redução significativa da inflação ou do desemprego nos próximos anos.

O economista José Márcio Camargo, da Opus Gestão de Recursos, vê com ressalvas o "índice de miséria", por ser um indicador composto que atribui pesos iguais às taxas de inflação e de desemprego. Ele chama a atenção também para o fato de que um número baixo não necessariamente reflete uma situação favorável. Um país pode ter um desemprego mais alto e uma inflação bastante baixa, mas num ambiente recessivo, que resulte numa soma modesta dos dois indicadores.

No caso brasileiro, houve uma combinação bastante virtuosa entre maio e agosto de 2010, quando ocorreu uma diminuição simultânea da taxa de desemprego e da inflação em 12 meses. No terceiro trimestre de 2010, o consumo das famílias cresceu 1,7% sobre o trimestre anterior, na série livre de influências sazonais, uma alta considerável. No ano, houve alta de 7% do principal componente da demanda.

Para os próximos meses, Camargo acredita que a taxa de desemprego pode cair ainda mais, em termos dessazonalizados. "O segundo semestre tende a ser sazonalmente mais aquecido no mercado de trabalho", diz ele. A questão é que, ao mesmo tempo, o quadro favorável para o emprego e a renda mantém a inflação sob pressão. Hoje, os analistas esperam que, o IPCA siga em alta no acumulado em 12 meses até alcançar a casa de 7% no terceiro trimestre, para só então recuar e fechar o ano um pouco acima de 6%. Em resumo, a aposta dominante dos economistas aponta para pouco espaço para uma queda relevante do "índice de miséria" neste ano.

Autor(es): Sergio Lamucci
De São Paulo
Valor Econômico - 06/07/2011 http://www.valoronline.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário