quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Exportações, importações e seus efeitos sobre preços

As exportações brasileiras são sensíveis a dois fatores principais: a taxa de câmbio e o preço das commodities. Já as importações continuam sensíveis à taxa cambial, que dita o preço pelo qual o produto será vendido no mercado nacional, e ao Índice de Preços ao Produtor, levantado pelo IBGE.

Neste ano, foi o preço das commodities que as levou a superarem as importações em valor e a representarem 46,7% do total exportado. A valorização do real ante o dólar foi compensada pelo aumento dos preços desses produtos. Tomando por base o índice de commodities do Banco Central, verifica-se que em 12 meses o aumento foi de 26,04% (de 31,01%, no caso dos produtos agropecuários; de 19,99%, no dos produtos metálicos; e de 16,58%, no dos energéticos).

De um modo geral, o aumento do volume exportado ficou muito abaixo do dos preços: no caso do minério de ferro, 5% e 71%, respectivamente; no do petróleo, 1% e 37%; e no do café, 8% e 62% - para dar alguns exemplos.

As exportações de commodities, que subiram em 2011 até maio, quando atingiram o recorde de US$ 12,1 bilhões, estão dando um sinal contrário desde junho, refletido no Índice de Commodities do Banco Central, que no acumulado dos sete primeiros meses apresenta um recuo de 1,96%.

Isso é um sinal de que as exportações poderão acusar queda nos próximos meses, que dificilmente poderá ser compensada por um aumento das vendas de produtos manufaturados, apesar da anunciada nova política industrial, que se mostra muito tímida.

Podemos tentar verificar se as importações tiveram efeito sobre os preços da indústria de transformação, comparando, para isso, os preços de junho de 2011 com os de junho de 2010. O maior aumento se verificou entre os produtos têxteis: 22%. Os produtos químicos, não derivados do petróleo, subiram 6,82%; e os produtos alimentícios, 16,16%.

Não somos grande importador de produtos alimentícios, mas os preços internos acompanharam os do mercado internacional. No caso dos produtos têxteis, houve uma invasão de importados, mas a indústria nacional sofreu com a elevação dos preços dos seus insumos e procurou compensar, com aumentos de preços, a queda da produção própria, para manter margem. A alta de preços dos produtos químicos reflete a nossa maior demanda de fertilizantes. Em compensação, os bens de informática e os eletrônicos com componentes importados acusaram queda de preços de 16%. Cabe avaliar os casos em que a importação teve efeito positivo.

O Estado de S. Paulo - 04/08/2011 http://www.estadao.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário