terça-feira, 9 de agosto de 2011

PÂNICO GERAL NA ECONOMIA GLOBAL !!!


CRISE ATINGE BOLSAS, SERVIDOR E AMEAÇA NATAL DO BRASILEIRO

 O ataque de nervos que tomou conta dos mercados intriga economistas. Seria mera especulação ou investidores voltaram a levar a sério a Standard & Poor"s? Sem credibilidade, desde os erros capitais que empurraram o mundo para o abismo em 2008, a companhia de classificação de risco pôs o planeta em pânico outra vez após declarar que os Estados Unidos já não seriam, pela primeira vez na história, o país mais confiável para se investir. O impacto do anúncio, feito na sexta-feira à noite, foi sentido com toda força ontem. Desde 2008, as bolsas não caíam tanto. A de São Paulo, que chegou a desabar quase 10%, fechou o dia em baixa de 8,08%. A presidente Dilma pediu cautela e observação, mas incentivou o brasileiro a não deixar de consumir, repetindo o conselho dado por Lula três anos atrás quando ocorreu o crash do subprime americano. Com receio de um Natal fraco, o comércio cobra do governo a redução da taxa de juros e a garantia de crédito. Na indústria, é grande o temor de que o setor seja afetado por uma queda no volume de encomendas. Quem também deve sentir no bolso o impacto da crise são os servidores públicos. "Pedir aumento de salário não adianta", avisou o ministro Guido Mantega, ao sair de encontro com Dilma.

Investidores perdem a confiança nas autoridades para reverter a recessão mundial. Bovespa tomba 8,08%, a maior queda desde outubro de 2008

Apesar de todos os esforços das autoridades governamentais e da ação coordenada dos bancos centrais para garantir a tranquilidade dos investidores, os mercados financeiros globais tiveram ontem o pior dia desde o auge da crise de 2008, quando ruiu o banco norte-americano Lehman Brothers. As bolsas de valores contabilizaram perdas monstruosas e o pânico de que o mundo esteja à beira de uma nova recessão tornou-se latente. "Os tempos são duros e precisamos estar preparados para proteger o país desta grave crise", disse a ministra-chefe da Casa Civil, Gleise Hoffman. O governo teme que, a exemplo de três anos atrás, os empresários suspendam investimentos e demitam funcionários e os consumidores reduzam as suas compras.

Os prejuízos se espalharam por todo o planeta, depois da decisão da agência de classificação de risco Standard & Poor"s (S&P) de rebaixar a nota dos Estados Unidos na última sexta-feira. A Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa) chegou a cair quase 10% (exatos 9,47%) e, por pouco, não teve de suspender os negócios por meia hora para esfriar a cabeça dos operadores. Mesmo assim, cravou baixa de 8,08%, nos 48.668 pontos. Foi o maior retrocesso desde 22 de outubro de 2008. O tombo fez o valor de mercado da empresas brasileiras encolher R$ 146,9 bilhões apenas ontem. No acumulado do ano, a bolsa paulista já recuou 29,78%, com o valor das companhias cedendo R$ 618,3 bilhões. Nesta terça-feira, uma hora depois da abertura, as bolsas asiáticas acumulavam severas perdas: Tóquio (-4,07%), Seul (-5%) e Hong Kong (-6,05%.

Derretimento

Nem mesmo as declarações do presidente dos EUA, Barack Obama, de que a maior economia do planeta está preparada para sair do atoleiro em que se encontra foi suficiente para reverter o pessimismo. Pelo contrário. A fala do líder norte-americano foi considerada fraca e arrogante, o que ajudou a empurrar os preços das ações ladeira abaixo. Na Europa, onde a Itália e a Espanha, a terceira e a quarta maiores economias da Zona do Euro, estão sob descrédito total, o tombo também foi violento. Em Frankfurt, a bolsa terminou o dia com queda de 5,02%. Londres despencou 3,39%. Em Milão, a baixa foi de 2,35% e, em Madri, chegou a 2,44%. Já a bolsa de Paris perdeu 4,68%.

Somente em agosto, as empresas europeias se desvalorizaram em US$ 932 bilhões, quantia maior do que a soma dos PIBs (Produto Interno Bruto) da Grécia, da Irlanda e de Portugal, que já foram à bancarrota.

Nos Estados Unidos, a situação não foi diferente. As bolsas do país também fecharam no pior nível desde 2008. Em Nova York, o índice Dow Jones cedeu 5,55% e a Nasdaq, 6,66%. Os investidores que tiraram dinheiro dos pregões correram para títulos emitidos pelo Tesouro norte-americano, mesmo depois do rebaixamento feito pela S&P, e para o ouro, que teve alta de 5,15%, chegando a US$ 1.713. "Aconteceu o que todo mundo esperava", resignou-se o diretor de Política Monetária do Banco Central do Brasil, Aldo Luiz Mendes. Mas, segundo ele, o Brasil está muito bem preparado para enfrentar todas as turbulências. Além das reservas internacionais de US$ 348 bilhões, a instituição tem R$ 420 bilhões em depósitos compulsórios dos bancos, que podem ser liberados em caso de escassez de crédito para o setor produtivo e para os consumidores.

Excesso de dívida

Assustada com o que pode vir pela frente, caso os Estados Unidos e a Europa não resolvam rapidamente os problemas decorrentes do superendividamento, a presidente Dilma Rousseff pediu calma e classificou de precipitada a avaliação feita pela S&P sobre os Estados Unidos. Quem acompanha atentamente o dia a dia do mercado garante, no entanto, que somente palavras positivas não diminuirão o nervosismo. Por uma simples razão: é enorme a desconfiança de que o grupo dos sete países mais ricos do mundo, o G-7, e o Banco Central Europeu (BCE) não têm poder suficiente para combater a crise. " O discurso é maior do que o poder de fogo", disse o economista-chefe do Banco de Investimento Sul América, Newton Rosa. Ele destacou o que o que todo mundo sabe: os recursos do Fundo de Estabilização da Zona do Euro, com 440 bilhões de euros, não são suficientes para a recompra de toda a dívida de países como Espanha e Itália. "O mercado está com medo do que ainda pode vir", salientou.

Além do grave problema fiscal, a Itália atravessa, no momento, uma série crise política. O jornal Corriere della Sera divulgou ontem uma "carta secreta", enviada ao governo daquele país pelo BCE. Nela, a autoridade monetária da Zona do Euro faz exigências pesadas para ajudar a

economia italiana a sair da crise, como um calendário para a implantação das medidas de austeridade, assim como o corte de despesas e a venda de estatais.

De imediato a oposição ao primeiro-ministro da Itália, Sílvio Berlusconi, pediu explicações ao governo. "Queremos saber exatamente o que o BCE e as instituições internacionais estão exigindo da Itália. Um governo impotente e totalmente desacreditado e, agora, sob tutela deve ao menos esclarecer qual é a real situação", exigiu Pierluigi Bersani, chefe do Partido Democrata (PD, de esquerda).

O governo espanhol, por sua vez, tratou de divulgar o teor da conversa por telefone mantida pelo primeiro ministro, José Luis Zapatero, com Barack Obama. Os dois analisaram a situação econômica global, os problemas da dívida pública e o crescimento e concordaram com a necessidade de " trabalhar de forma coordenada para evitar a desaceleração" da economia mundial.

Autor(es): Vânia Cristino

Correio Braziliense - 09/08/2011 http://www.correioweb.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário