quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Inflação não dá trégua a consumidores e atinge 7,33% em 12 meses

A inflação não está dando trégua aos consumidores. Prévia do indicador oficial usado como referência para o sistema de metas definido pelo governo, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) registrou alta de 0,53% em setembro, praticamente dobrando em relação ao 0,27% computado em agosto. No acumulado do ano, a taxa cravou 5,04%, superando o centro da meta perseguida pelo Banco Central, de 4,5%, e rompeu, com larga distância, o teto do objetivo, de 6,5%, ao bater em 7,33%, o nível mais elevado desde junho de 2005. A pressão inflacionária está tão forte que 66,3% dos preços e serviços medidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foram reajustados nos últimos 30 dias.

Diante desse quadro, começou a se consolidar no mercado a visão de que o BC não conseguirá cumprir neste ano a sua missão de manter a inflação nas metas. Esse sentimento é sustentado, principalmente, por causa da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de reduzir a taxa básica de juros (Selic) para 12% ao ano, no fim de agosto, e dos sinais emitidos pelo BC de que o afrouxo monetário continuará por determinação do Palácio do Planalto e do Ministério da Fazenda.

“Infelizmente, a corda apertou no pescoço de Alexandre Tombini, presidente do BC, principalmente porque 78% do caminho até o teto da meta de inflação já foi percorrido em apenas nove meses”, disse um técnico do governo. Os riscos inflacionários permanecem intensos. Se houver alta de mais de 1,5 ponto percentual no índice próximos três meses, o esforço do primeiro ano do governo de Dilma Rousseff irá por água abaixo. O receio é justificado pela disseminação da alta de preços, sobretudo os dos alimentos — que subiram 0,72% no mês.

Os consumidores tiveram de arcar com a disparada das passagens aéreas, que encareceram 23,40%, e dos artigos de vestuário (1%). Esses dois itens responderam por 30% do IPCA-15 do mês. “Apesar de o mercado já estar desconfortável com a inflação, desta vez o BC tem razões para lamentar alguns fatos estranhos na coleta do índice divulgado pelo IBGE”, afirmou Luís Otávio de Souza Leal, economista-chefe do Banco ABC Brasil. (VM)

Anac aprova compra da Webjet pela Gol

A compra da Webjet pela Gol foi aprovada ontem pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A decisão levou em conta o aspecto financeiro da operação, ou seja, o órgão permitiu à Gol assumir a administração da companhia. A operação será avaliada ainda pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que analisará o impacto sobre os consumidores — uma forma de evitar mais concentração e, consequentemente, encarecimento das passagens. A disparada de 23,40% nos preços medidos pela prévia do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15) de setembro, foi justificada pela Anac pelo aumento da procura em agosto, de 13,45%. No acumulado do ano, a demanda avançou 20,14%. A agência informou ainda que o mercado permanece concentrado entre a Gol, que detém 38,84% do setor, e a TAM, com 38,37%.

A mordida do dragão (Em %)

Produtos que mais encareceram no mês

Limão 38,88%
Chuchu 30,74%
Passagem aérea 23,40%
Capa de filé 5,16%
Açúcar cristal 4,72%
Leite 4,39%
Contrafilé 4,17%
Alcatra 3,29%
Feijão Carioca 2,96%
Frango 2,51%

Fonte: IBGE

Nenhum comentário:

Postar um comentário