quinta-feira, 15 de março de 2012

COPOM vê juro caindo para nível pouco acima de 8,75% ao ano
Nível de 8,75% ao ano é a taxa mínima histórica, registrada em 2009/2010.
Informação está na ata da última reunião do Copom, divulgada nesta quinta.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central informou nesta quinta-feira (15), por meio da ata de sua última reunião, quando os juros recuaram para 9,75% ao ano, que atribui "elevada probabilidade" à concretização de um cenário que contempla a taxa de juros caindo para "patamares ligeiramente acima dos mínimos históricos, e nesses patamares se estabilizando".

A mínima histórica da taxa de juros é de 8,75% ao ano e foi registrada entre julho de 2009 e abril de 2010, na primeira etapa da crise financeira internacional. No primeiro semestre do ano retrasado, após atingir a mínima histórica, os juros voltaram a ser elevados para conter as pressões inflacionárias resultantes do crescimento da economia brasileira. Naquele ano, o Produto Interno Bruto (PIB) avançou 7,5%, desacelerando para 2,7% de expansão em 2011.

Com isso, o Copom sinaliza que os juros não devem cair abaixo da mínima histórica nos próximos meses. Analistas avaliam que um recuo mais forte da taxa de juros, abaixo de patamares mínimos já registrados, poderia comprometer a chamada "rolagem" da dívida pública, que é a emissão de títulos públicos pelo Tesouro Nacional para pagar os papéis que estão vencendo.
Há dois anos, quando os juros chegaram a 8,75% ao ano (mínima histórica), os fundos de renda fixa que cobravam mais de 1% de taxa de administração já começavam a perder rentabilidade frente à caderneta de poupança - que não tem incidência do Imposto de Renda e nem taxa de administração.

A explicação é que a poupança tem uma rentabilidade mínima (piso de rendimento) associada ao investimento (TR mais 6% ao ano), enquanto os rendimentos dos fundos de investimentos estão associados aos juros básicos da economia - que estão em queda desde agosto do ano passado.

Por isso, mudanças na remuneração da poupança chegaram a ser anunciadas no passado, por meio da taxação, em 22,5%, dos saldos acima de R$ 50 mil, com o objetivo de impedir que grandes investidores migrassem para a poupança e, com isso, deixassem de comprar títulos públicos ofertados pelo Tesouro Nacional.

Especialistas avaliam que, caso os juros comecem a recuar abaixo de 8,75% ao ano, o governo terá de rever a política de remuneração da poupança em algum momento. Outra alternativa do governo, que não seja a taxação da poupança, pode ser atrelar o rendimento da poupança ao dos juros básicos da economia. Assim, quando os juros recuassem, cairia também o rendimento da caderneta de poupança.

Alexandro Martello Do G1, em Brasília

Nenhum comentário:

Postar um comentário