quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Brasil já importa 15% da gasolina que consome


Escalada no consumo da gasolina torna urgente investimento em refinarias, diz Graça Foster

A presidente da Petrobrás, Graça Foster, afirmou que o Brasil já importa 15% dos derivados de petróleo consumidos no País e registrou alta na demanda de gasolina de 7% no primeiro semestre ante o mesmo período do ano passado. A escalada do consumo torna urgente investimentos em refinarias, defende a presidente, mas não nos moldes que vinham sendo feitos até agora.

Graça voltou a fazer uma dura crítica à Refinaria Abreu e Lima (Rnest, em Pernambuco), cujo orçamento foi multiplicado em quase dez vezes desde o lançamento do projeto em 2005. "É uma história que está escrita, deve ser lida, e os erros não devem ser repetidos", disse ontem em palestra promovida pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (Ibef), no Rio.

O tom crítico foi o mesmo usado há um mês por Graça, causando insatisfação política entre os governos do Ceará, Maranhão e Rio de Janeiro, que receberão três refinarias da companhia nos próximos anos. Ontem, porém, a presidente reafirmou a importância dos três projetos.

Segundo ela, sem eles a Petrobrás ficará refém da volatilidade de preços do mercado internacional e, em 2020, haverá 35% de exposição na contratação de derivados fora do Brasil. O cálculo já leva em conta o funcionamento de Abreu e Lima. Há mais de três décadas não se inaugura uma refinaria no Brasil.

O aumento da demanda interna por diesel e gasolina leva à importação a preços mais caros do que no mercado interno. A companhia mantém uma política de reajustes de longo prazo que não têm seguido os preços externos desde janeiro de 2011. A defasagem é um dos motivos que levaram analistas de nove instituições financeiras consultadas pela Agência Estado a projetar queda média de 70% no lucro líquido do segundo trimestre, a ser divulgado amanhã pela Petrobrás, após fechamento do mercado.

Segundo Graça, foram vendidos no primeiro semestre 870 mil barris por dia (bpd) de diesel, e importados 181 mil barris por dia. No caso da gasolina, 13% dos 510 mil bpd consumidos tiveram de ser importados. "Há de fato uma exposição, uma volatilidade dos preços internacionais, se não descobrirmos uma forma de fazer as próximas refinarias com as métricas internacionais adequadas de preço, de prazo e de tecnologia."

Graça afirmou que a equipe da Rnest trabalha há um ano e meio com as equipes das refinarias Premium, projetadas para serem o Maranhão e o Ceará, para que não sejam repetidos os erros cometidos em Pernambuco.

As ações ordinárias (com direito a voto) fecharam ontem em alta de 1,75% e as preferenciais a 1,64%, com o mercado ajustando as apostas para a divulgação do resultado financeiro. Também pesaram comentários de Graça sobre a revisão para baixo das metas de produção da empresa, bem recebidos por serem considerados mais realistas.
Graça disse ter esperanças de que o novo diretor da área internacional seja anunciado amanhã, após reunião do conselho de administração. A executiva confirmou que José Carlos Amigo, gerente executivo que ocupou temporariamente a diretoria este ano, é um dos cotados. Nos bastidores, há negociações envolvendo o PMDB para a indicação de um nome. Graça diz desconhecer o debate político.

Autor(es): SABRINA VALLE COLABOROU ANDRÉ MAGNABOSCO
O Estado de S. Paulo - 02/08/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário