segunda-feira, 1 de julho de 2013

Grupo GP ataca novamente.

GP compra 33% da rede de salões Beleza Natural
A rede voltada para tratamento de cabelos crespos Beleza Natural fechou neste fim de semana com a GP Investimentos venda de 33% do capital. A controladora - Cor Brasil S.A. - vai receber injeção de R$ 70 milhões e investir para atingir a meta de crescer dez vezes em dez anos.
Com 13 lojas - nove no Rio, duas em Salvador e duas em Vitória -, o foco são mulheres e homens da classe C que tenham cabelos crespos e que queiram manter os cachos. No ano passado a rede faturou R$ 130 milhões e estima fechar 2013 com aumento de 30%.
No segundo semestre deste ano serão abertas três lojas em São Paulo. Uma delas também irá atuar como centro de treinamento de mão de obra. A primeira a ser inaugurada será no Mais Shopping, em Santo Amaro, na zona sul da capital paulista. A expectativa é que a nova filial de São Paulo provoque um aumento de 6% no faturamento já em 2013. A nova loja, de 500 metros quadrados, terá um investimento de R$ 2,5 milhões.
 
A rede também chega ainda este ano a Campos dos Goitacazes (RJ) e abre loja em Volta Redonda, no interior do Rio de Janeiro.
 
De acordo com Leila Velez, presidente e sócia, a rede Beleza Natural vinha há dois anos

"passando a limpo a estrutura total da empresa", fazendo uma revitalização no modelo de negócios para mutiplicar as melhores práticas e crescer. "Nada mais óbvio do que buscar um sócio, um parceiro financeiro para viabilizar o plano de expansão e perpetuar a empresa. A entrada da GP representa isso. É importante ter um olhar externo com a experiência que eles têm", diz a empresária.
 
A GP Investimentos entra na governança. Vai participar do conselho de administração e apoiar a gestão e a visão estratégica. A GP já captou aproximadamente US$ 5 bilhões e adquiriu 53 companhias em 15 diferentes setores da economia. "Vínhamos há tempos buscando negócios na área de beleza", disse Fersen Lambranho, sócio da GP, observando que o setor é econonicamente importante no país e oferece oportunidades.
"Estávamos acompanhamos o desenvolvimento da Beleza Natural e agora chegou momento. Eles são pessoas muito preparadas para ter um sócio como a gente. Assim como a [rede de churrascarias] Fogo de Chão, a Beleza Natural tem um conceito inovador, único" diz ele.
 
Produto e forma de atendimento são os pontos-chave na Beleza Natural. O atendimento foi concebido para atender a um grande número de clientes. São, em média, 800 clientes por dia, cerca de 90 mil por mês, com um tíquete médio de R$ 150. A rede emprega atualmente 1.700 pessoas. A Beleza Natural tem 45 produtos, demandando produção de 250 toneladas para abastecer os salões e para a venda aos clientes. Maior parte da produção (70%) é terceirizada. A fábrica própria, aberta em 2004, em Bonsucesso, também na zona norte da cidade, responde por 30% da produção.
 

Leila Velez e Zica
O Instituto tem parceria com o Instituto BioRio, da Universidade Federal do Rio de Janeiro para pesquisa e desenvolvimento de novos produtos. Recentemente, firmaram uma parceria para pesquisar novas tecnologias com o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INTC), coordenado pela UNB (Universidade de Brasília).
 
O carro-chefe no tratamento é o produto batizado de Super-Relaxante, que tira volume dos fios sem alisá-los. Foi concebido por Heloisa Assis, conhecida como Zica. Por dez anos, ela testou produtos nos próprios cabelos. Queria os cachos mais soltos. Em 1993, quando começou a ouvir elogios dos amigos que diziam que o cabelo dela estava mais bonito, Zica concluiu que havia chegado onde queria e transformou a fórmula em negócio. Em 1993, abriu o primeiro salão com o marido, Jair Conde, Rogério Assis, o irmão, e a amiga Leila Velez. Foi na Tijuca, na zona norte do Rio, em 1993.
 
Rogério e Leila trabalhavam na rede de lanchonetes McDonald"s na época em que a fórmula de Zica começou a dar certo. A multinacional foi fonte de inspiração para o atendimento em etapas. Os dois destinaram as economias na instalação do primeiro salão e Jair entrou com o que arrecadou com a venda de um Fusca. Zica era empregada doméstica e deixou o serviço para dedicar-se à nova atividade.
 
Autor(es): Por Heloisa Magalhães e Paola de Moura
Valor Econômico - 01/07/2013 www.valoronline.com.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário