sábado, 26 de abril de 2014

Dólar fecha em alta e termina a semana com valorização

Moeda dos EUA subiu 1,22%, para R$ 2,2428, maior alta desde janeiro.
BC reduziu intervenção buscando queda da moeda nesta sexta.

O dólar fechou em alta ontem 25/4, com a redução das intervenções do BC no mercado – não houve rolagem de swaps – e com as preocupações com a Ucrânia fazendo investidores buscarem refúgio na moeda.

A moeda norte-americana subiu 1,22%, para R$ 2,2428. Foi a maior alta desde 2 de janeiro, quando o dólar subiu 1,43%.

Na semana, a moeda terminou em alta de 0,32%, mas no mês ainda está desvalorizada em 1,17%. No ano, a queda é de 4,87%.

BC

"É possível que o BC veja o atual nível do real como suficiente para manter a inflação sob controle para permiti-lo interromper as altas na Selic na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (em maio)", escreveu o estrategista do Citi Kenneth Lam, em relatório.

O BC vinha realizando diariamente ofertas para rolar os swaps cambiais, que equivalem a venda futura de dólares, a vencer em 2 de maio. Até quinta-feira, havia rolado cerca de 74% do lote total, correspondente a US$ 8,733 bilhões.

De qualquer forma, ainda restam três dias para rolar os swaps remanescentes, mas alguns investidores já apostam que não será concluída.

A assessoria do BC informou nesta sexta-feira que não houve rolagem nesta sexta. Mesmo sem  ele, ainda restam três dias para rolar os swaps remanescentes. No mercado, alguns apostam que a rolagem não será concluída.

"A sinalização do BC foi que não vai rolar tudo e isso dá um pouco de força para o mercado testar cotações mais altas", afirmou à Reuters o operador da corretora Intercam Glauber Romano.

As ofertas diárias de novos swaps, por outro lado, continuaram como previsto. O BC vendeu pela manhã a oferta total de até 4 mil swaps, todos com vencimento em 2 de março de 2015 e volume equivalente a US$ 198,2 milhões. A autoridade monetária também ofertou contratos para 1º de dezembro deste ano, mas não vendeu nenhum.

Segundo alguns analistas, a atuação mais moderada é justificada pelo quadro de entrada de recursos no Brasil. Em abril, até o dia 23, o país registrava entrada líquida de US$ 2,719 bilhões, informou o BC.

Ucrânia

A alta do dólar no Brasil refletiu o fortalecimento da moeda dos Estados Unidos no exterior, após o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmar que estaria pronto para impor mais sanções se a Rússia aumentar as ações na Ucrânia em apoio a rebeldes no leste do país.

"A questão da Ucrânia está gerando aversão ao risco e o pessoal está saindo dos emergentes", resumiu o superintendente de câmbio da corretora Advanced, Reginaldo Siaca.


Nenhum comentário:

Postar um comentário