quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Demanda por crédito aumenta 10,4% em relação a 2013

Já em relação a agosto, houve recuo de 1,6% na procura.
Alta pode ser reação positiva frente as medidas de estímulo ao crédito.

O Indicador Serasa Experian da Demanda do Consumidor por Crédito mostra que a quantidade de pessoas que buscou crédito recuou 1,6% em setembro na comparação com agosto. Já na comparação com setembro do ano passado, houve crescimento de 10,4% na procura. No acumulado de janeiro a setembro, a demanda acumula queda de 3,6% perante o mesmo período de 2013.

De acordo com os economistas da Serasa Experian, o recuo reflete a sazonalidade mais fraca de setembro, já que em agosto, por conta da data comemorativa do Dia dos Pais, a busca por crédito tende a ser mais intensa. Já a alta significativa de 10,4% frente a setembro de 2013 pode ser explicada pela reação positiva do consumidor frente as medidas de estímulo ao crédito anunciadas pelo governo ao final de agosto.

Houve declínio da demanda por crédito em todas as faixas de renda em setembro, especialmente por quem ganha entre R$ 500 e R$ 1.000: queda de 2,2% perante agosto. Quem recebe entre R$ 1.000 e R$ 2.000 registrou queda de 1,7%; entre R$ 2.000 e R$ 5.000, o recuo foi de 1,1%; e acima de R$ 10.000, o declínio foi de 1,3%. O entre os que ganham entre R$ 5.000 e R$ 10.000, foi de 0,7%, e para os que recebem até R$ 500, de 0,5%.

Em agosto, a demanda havia crescido em todas as faixas, com destaque para o aumento de 7,4% no caso dos consumidores que ganham entre R$ 500 e R$ 1.000 por mês. Na sequência, estavam as pessoas com renda mensal entre R$ 1.000 e R$ 2.000, com alta de 6,4%. Nas demais camadas de rendimento mensal, a procura do consumidor em agosto cresceu 5,5% (faixa de renda mensal abaixo de R$ 500) até 5,9%, para os consumidores que recebem entre R$ 2.000 e R$ 5.000 por mês.

No acumulado de janeiro a setembro, a maior queda na busca por crédito ocorreu para os consumidores que ganham até R$ 500 por mês - recuo de 18,1% frente ao mesmo período do no passado. Os consumidores de rendas mais altas, com salários entre R$ 5.000 e R$ 10.000 e acima de R$ 10.000 tiveram recuos de 7,7% e 7,8%, respectivamente.

Por região

As maiores quedas na demanda do consumidor por crédito em setembro ocorreram nas regiões mais desenvolvidas do país: quedas de 2,6% na região Sul e de 2,2% na região Sudeste. No Nordeste o recuo foi de 0,5%, enquanto que no Centro-Oeste foi de 0,2%. Apenas houve avanço da demanda na região Norte, de 1,0%.

A queda da procura por crédito no acumulado de janeiro a setembro foi mais expressiva na região Sul (-5,5%), seguida pela queda de 4,8% na região Norte. Na região Nordeste, o recuo foi de 4,0%. Na região Sudeste, a queda foi de 3,5%. A única alta foi na região Centro-Oeste, de 1,6%.

Em agosto, o índice foi ao contrário. O maior avanço da demanda do consumidor por crédito ocorreu na Sul, com alta de 10,7% em agosto. No Sudeste o crescimento foi de 8,4% frente a julho. No Nordeste, a alta foi de 2,5% e no Centro-Oeste, de 1,2%. Apenas a Região Norte registrou queda, de 0,8%, em relação a julho.


Nenhum comentário:

Postar um comentário