segunda-feira, 13 de abril de 2015

Contribuintes podem abater doações do Imposto de Renda

De acordo com as regras da Receita Federal, é possível destinar até 6% do imposto a pagar para projetos incentivados

De acordo com as regras da Receita Federal, é possível destinar até 6% do imposto a pagar para projetos incentivados.
Fazer doações é uma boa maneira de reverter o Imposto de Renda devido a uma instituição que beneficie crianças e adolescentes, idosos ou fundos de cultura e esporte. Porém, para concluir todo o processo de maneira correta e evitar dor de cabeça com o Leão, é preciso ficar atento a uma série de regras, como apontam especialistas. Quem deseja realizar esse tipo de contribuição pode abater até 6% do imposto a pagar, no caso de contribuições feitas às instituições beneficentes ou projetos culturais que se enquadram nas regras de doações com incentivos fiscais. 
Vale destacar que as deduções só podem ser feitas no modelo de declaração completa do Imposto de Renda, já que, pela declaração simplificada, há um percentual de desconto, fixado pela Receita Federal sobre a renda tributável, de 20%, que substitui todo tipo de dedução adicional. 
Para conseguir deduzir os valores da doação, o contribuinte deve verificar se a instituição é contemplada por algum fundo do governo aceito pela Receita Federal (www.receita.fazenda.gov.br). As doações incentivadas só podem ser feitas aos fundos municipais, estaduais, distrital e nacional da criança e do adolescente que se enquadram no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), e fundos municipais, estaduais, distrital e nacional do idoso — entretanto, nesses casos, as deduções são limitadas a 3% do imposto devido. 
Além disso, podem ser feitas doações aos projetos aprovados pelo Ministério da Cultura e enquadrados na Lei de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet); projetos aprovados pelo Ministério da Cultura ou pela Agência Nacional de Cinema (Ancine) e enquadrados na Lei de Incentivo à Atividade Audiovisual; projetos aprovados pelo Ministério do Esporte e enquadrados na Lei de Incentivo ao Esporte; e projetos aprovados pelo Ministério da Saúde no âmbito do Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas) ou do Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon). 
Lúcio Fernandes, presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Rio de Janeiro (Sescon-RJ), ressalta que “as doações realizadas pelo Imposto de Renda não podem ser feitas diretamente para uma instituição definida pelo doador. Quando se doa, essa quantia é destinada a um fundo governamental que administra e encaminha o valor acumulado para instituições ”, explica. 
Para quem não fez doações no último ano, mas deseja ainda fazê-las, é possível, no momento do preenchimento da declaração, escolher um fundo setorial. Para o procedimento, “basta que o contribuinte forneça, no momento do preenchimento, as informações necessárias para que a doação seja encaminhada e a dedução seja feita sem erros”, diz Fernandes.

terça-feira, 7 de abril de 2015

Dólar muda de direção e passa a operar em queda nesta terça

Moeda acumula cinco quedas seguidas.
Dólar caiu 0,22% na segunda-feira, a R$ 3,1223 na venda.
  
O dólar mudou de direção e passou a operar em queda ante o real nesta terça-feira 7/4
Às 11h40, a moeda norte-americana tinha variação negativa de 0,19%, a R$ 3,1165 na venda, após cair 0,22% na sessão anterior e acumular perda de 3,65% nas últimas cinco sessões.
Mais cedo, a moeda foi negociada em  alta, chegando a atingir R$ 3,14.
"O dólar cai e entram comprando. Isso acaba limitando um pouco a queda porque a dinâmica aqui ainda é compradora", disse à Reuters o economista da Tendências Consultoria Silvio Campos Neto, acrescentando que o mercado segue avaliando os desdobramentos políticos no Brasil.
Nos próximos dias, o mercado deve permanecer com as atenções voltadas ao noticiário político local, à espera de novas sinalizações em relação aos avanços na condução da reforma da política fiscal e nas negociações do governo com o Congresso para aprovação das medidas necessárias ao ajuste.
"Teve diminuição das pressões lá fora e aqui, mas o cenário ainda é volátil", disse o economista.
Nesta manhã, o Banco Central fará mais um leilão de rolagem dos swaps que vencem em 4 de maio, que equivalem a US$ 0,115 bilhões, com oferta de até 10,6 mil contratos.