quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Informação é poder, e o RH precisa saber disso

Informação é poder – A imprensa foi considerada por todo o século XX como sendo o Quarto Poder. Ao contrário do Executivo, do Legislativo e do Judiciário, seu poder não era investido por meios jurídicos e constitucionais, e nem mesmo pela validade do voto. A imprensa conseguia seu poder por meio do próprio produto que comercializava, e ainda comercializa: a informação. A informação também é o motor que derruba ou ergue políticos, líderes de estado e até mesmo grupos inteiros ao poder.
Saindo do mercado e ingressando no microcosmos empresarial e corporativo, essa informação, ao contrário do que muitos pensam, ganha ainda mais peso no jogo de poder. Infelizmente, um dos departamentos que mais armazena e coleta informações – e que menos utiliza para ganhar palavra – é o de recursos humanos.
A informação concede poder de barganha, permite tomar decisões mais claras e objetivas, permite evitar e remediar conflitos, ganhar posições, imprimir mudanças e criar lideranças. Por essa razão, o RH – que concentra informações sobre todos dentro da empresa, poderia usar melhor de sua posição e dos dados e informações que possui, para criar inovações e gerar mudanças e novos padrões dentro de uma organização.
Mas como o RH pode se abastecer de informação e que tipo de informações são úteis para que o departamento pessoal ganhe posição e poder de circulação dentro das empresas?

Aproximação com lideranças

O RH precisa manter contato frequente e próximo com as lideranças de cada setor dentro da empresa. Necessidades de treinamento, renovação de quadros, promoções, rotinas de coach e aprimoramento e outras podem surgir a partir de rápidas atualizações e conversas com gerentes e diretores.
Mas o principal benefício do bom relacionamento com líderes, para o RH, é a possibilidade de implementar com maior facilidade projetos e programas de desenvolvimento de pessoal, sem barreiras que naturalmente se interpõem a esse tipo de programa. Com os líderes como aliados, além de um fluxo constante de informação, o RH garante acesso a cada departamento.
Mantendo o canal aberto com lideranças, o RH não apenas pode fazer sua política com os demais setores da empresa, mas também é capaz de acumular informações valiosas para os processos e tarefas que desempenha:
  • Situações de risco trabalhista, envolvendo processos, por exemplo;
  • Cumprimento de jornadas e horas trabalhadas;
  • Eficiência e assertividade das lideranças;
  • Nível de controle e comando por departamento;
  • Funcionários e colaboradores fora do perfil desejado;
  • Internalização e absorção da cultura corporativa;
  • Conforto e satisfação dos colaboradores;
  • Necessidades de substituições em equipes;
  • Funcionários sobrecarregados;
  • Possibilidades e potenciais promoções;
  • Episódios onde haja risco de assédio moral ou mesmo sexual;
  • Alinhamento de discurso das lideranças com a cultura empresarial.
    Tudo isso é informação – e toda informação pode ser revertida em dados. Esses dados, posteriormente, serão capazes não apenas de dar rumo às decisões do RH em si, mas de fornecer premissas para a criação de programas e projetos com poder de modificar a própria organização como um todo.
Com todos esses dados, o RH pode fornecer aos dirigentes de uma empresa informações confiáveis para que esses apostem em seus programas e projetos, e banquem sua realização. Em suma, o acesso à informação proporcionada por líderes cria bases mais sólidas para decisões no âmbito do RH, da empresa e fomenta a manutenção de um departamento de RH forte dentro da empresa.
Ademais, o respeito dos líderes de cada área em relação ao RH somente se dará à medida que o departamento pessoal tenha uma atuação próxima, porém eficaz e eficiente.

Na base da pirâmide

Mas nem somente de líderes é feita uma organização – e o RH sabe bem disso. Contudo, muitas vezes esse departamento, que deveria fornecer amparo ao trabalhador em vários aspectos, é inatingível e fechado.
Perde não apenas o trabalhador, mas também os líderes do RH engessado e secreto, que passam a operar à revelia do que realmente ocorre dentro da empresa, elevando sistematicamente suas chances de falha e desastres.
Os recursos humanos têm, como uma de suas premissas, promover a eficiência na comunicação da empresa e seus dirigentes com o funcionário – o chamado público interno. Embora muitas empresas realizem esse trabalho de informação por meio de setores de comunicação corporativa, o RH mantém para si a obrigação de ouvir esses trabalhadores, informá-los a respeito de aspectos importantes de sua vida corporativa e seu trabalho e também mantê-lo produtivo e satisfeito à medida do possível.
Na contrapartida, toma-se desse trabalhador informações importantes para a atuação mais pormenorizada e focada, algo que muitas vezes o canal de contato com as lideranças não é capaz de oferecer.
O trabalhador, ou a base da pirâmide, é o ponto mais baixo dentro da empresa. Ele sabe exatamente o que ocorre no cotidiano empresarial, nas operações e nos processos, e suas informações têm uma qualidade muito mais empírica do que teórica.
Vejamos um exemplo. Ao conversar com lideranças do departamento de vendas, o RH apura que o volume de vendas está crescendo e todos os funcionários parecem estar satisfeitos com seu programa de bonificações e suas comissões.
Entretanto, ouvindo dois ou três vendedores, o RH acaba constatando que eles gastam excessivamente com refeições em visitas externas, e que seu tíquete fornecido pela empresa deveria, assim, possuir um valor mais alto do que o de outras categorias.
Sim, é sempre possível que essa informação chegue às lideranças por meio de conversas e reclamações, mas atuando junto ao trabalhador de forma direta, o RH acaba tendo essa informação em primeira-mão. Isso previne descontentamentos, reclamações e até problemas mais graves como o absenteísmo e o abandono de emprego.
O RH, em relação ao funcionário, é o antes – tem capacidade de averiguar situações irregulares, problemas em relação a funções, falhas em equipes e muito mais antes que desastres venham a ocorrer. Os demais departamentos, muitas vezes, representam o depois nesse mesmo quesito.

Interno e externo

O RH não precisa se limitar ao ambiente interno para coletar e distribuir informação. Muito pelo contrário – é no ambiente externo que o RH colhe mais informações de interesse da empresa e seus funcionários.
Muitas informações que precisam circular na empresa precisam ser angariadas fora dela pelo departamento de recursos humanos:
Contatos com sindicatos, para atualizar-se sobre mudanças em acordos de categorias, notificações de greves e paralisações, pleitos sindicais e tendências nas diversas áreas de trabalho;
Coleta de informações legais referentes ao trabalhador e divulgação das mesmas para funcionários e dirigentes da empresa;
Informações sobre doenças, campanhas, eventos e outros de interesse direto do funcionário;
Notícias e informações relevantes que possam afetar não apenas a empresa, mas principalmente suas condições de trabalho e empregabilidade;
Atualizações na forma de cursos e treinamentos;
Informações sobre tendências de mercado e práticas em concorrentes.
As possibilidades são virtualmente infinitas e o RH precisa estar sempre a postos para levantar informações que possam, ao mesmo tempo, beneficiar ou alertar ao trabalhador e à empresa como um todo.

Informação e conhecimento

O RH é o departamento responsável por treinamentos e rotinas de capacitação, na grande maioria das empresas. Educando e capacitando o trabalhador, o departamento pessoal não apenas cria um quadro mais qualificado, mas também ganha notoriedade e poder perante os dirigentes de uma empresa.
Toda informação coletada no mercado e em universidades, por exemplo, pode ser transformada em cursos e processos de capacitação que fazem da empresa melhor. O RH, muitas vezes, detém essa incumbência: transformar dados e informações em conhecimento; para em seguida passar esse conhecimento adiante, ou transmiti-lo dentro e fora da empresa.
Criar rotinas de aprendizagem empresarial é algo que concede poder ao RH – entre os trabalhadores, gerando processos produtivos mais eficazes e modernos; entre líderes, proporcionando mais inteligência no processo de gestão e autoconhecimento, por meio de ferramentas de coaching ou vivências para executivos, entre outros.
Qualquer RH que seja capaz de transformar informações em conhecimento tende a ser tornar um norte na evolução e na inovação da organização, ditando a velocidade com que passos rumo ao futuro são tomados, por meio da educação.

Comunidades e sociedade

O RH ainda exerce, muitas vezes, um papel semelhante ao de relações públicas. Algumas vezes, o trabalhador e a empresa estão inseridos em uma realidade maior, que exige interpretação de informações e dados por parte de um bom departamento pessoal.
Acompanhar as comunidades envolvidas e faixas sociais relacionadas á empresa e ao trabalhador são formas de criar um poder maior dentro do RH perante a empresa.
Não raramente, será o RH, se bem estruturado, o departamento a lidar com stakeholders e com a sociedade no interesse da empresa e seus funcionários – perder essa oportunidade não faria nenhum sentido, concorda?

4 comentários:

  1. Respostas
    1. É isso aí meu amigo, obrigado pelo comentário.

      Excluir
  2. Com certeza, o RH tem um poder muito grande dentro das organizações, as informações contidas nesse setor, são exemplos disso. Se aliarmos com gestores que saibam utilizar as ferramentas adequadas e no momento certo, acredito que haverá maior assertividade nos objetivos esperados pela empresa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso Mesmo Jack sem dúvidas esperamos que os gestores acreditem verdadeiramente neste poder.
      Muito obrigado pelo seu comentário.

      Excluir