terça-feira, 29 de novembro de 2016

Nível de Educação Financeira no Brasil está abaixo da média mundial

Quando você pensa em um investimento, chega a avaliar o comportamento da inflação para saber se o retorno prometido por quem oferece a aplicação é vantajoso? Ao tentar colocar suas contas em ordem, organiza um orçamento para enxergar sua renda e despesas com clareza? Tem o hábito de realmente comparar preços antes de consumir produtos e serviços? 

Questionamentos simples sobre educação financeira como esses não chegam a fazer parte da rotina de grande parte da população brasileira - a exemplo do que acontece com diversas regiões ao redor do globo. Isso foi o que apontou estudo feito pela Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o qual teve por objetivo comparar o índice de letramento financeiro de 30 países. Ao todo, foram ouvidos 51.650 adultos com idade entre 18 e 79 anos. O Brasil ficou 1,2 pontos percentuais abaixo da média mundial. No entanto, o alarde é global, tendo em vista que, em geral, todos os países tiveram uma pontuação inferior ao desejável. 

Sobre conhecimento financeiro, por exemplo, menos da metade dos brasileiros conseguiu acertar a pontuação mínima desejável: de cinco acertos em sete perguntas. Quando o assunto é juro, o resultado chamou ainda mais a atenção. Somente 30% dos brasileiros acertaram uma questão sobre juros compostos. O percentual ainda caiu para 18% quando a pergunta fazia uma combinação entre juros simples e compostos. 

O tema pode parecer pouco agradável para muita gente, mas veja bem: juros simples e compostos fazem parte de operações comerciais, das compras parceladas que são feitas diariamente, dos empréstimos que todos tomam constantemente, seja diretamente com o banco, pelo cheque especial ou com o atraso de uma fatura de cartão de crédito. Ter conhecimento escasso sobre o tema é abrir espaço para ser enganado ou se atrapalhar com dívidas fora de controle. 

No caso da organização financeira, a pesquisa apontou que somente quatro a cada dez brasileiros têm o hábito de montar um orçamento. Percentual baixo, tendo em vista que a elaboração de um orçamento é um dos passos iniciais para quem deseja se livrar de dívidas e reduzir despesas. Em tempos de sufoco financeiro, o orçamento é o principal aliado para evitar que as contas fujam do controle.

Aprimorar os conhecimentos sobre educação financeira não é somente algo a mais para acrescentar no currículo, é um modo de garantir a sua independência. É a única forma de cuidar bem do seu dinheiro, não importa o tamanho do seu patrimônio. Enquanto você somente delegar esse conhecimento a outros - como o gerente do banco - seus interesses sempre ficarão em segundo plano. 


Prof. Samy Dana – FGV/SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário