terça-feira, 11 de abril de 2017

Início de retomada na Indústria brasileira

Em fevereiro, a produção industrial cresceu em 9 dos 14 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de janeiro para fevereiro, conforme pesquisa divulgada hoje terça-feira dia 11 de abril

Os maiores avanços foram na Bahia (2,8%), que eliminou parte da perda de 4,2% registrada em janeiro, e em Santa Catarina (2,8%), no 4º mês consecutivo de crescimento, acumulando expansão de 7,4%. Rio Grande do Sul (2,2%), Rio de Janeiro (2,2%), Goiás (2,1%), Minas Gerais (2,0%), Paraná (1,9%), Região Nordeste (1,1%) e São Paulo (0,2%) completaram o conjunto de locais que mostraram aumento na produção em fevereiro.

Por outro lado, Pernambuco (-7,8%), Pará (-4,1%) e Espírito Santo (-3,9%) apontaram os resultados negativos mais acentuados em fevereiro, após crescimento no mês anterior: 2,6%, 4,6% e 4,3%, respectivamente. As demais taxas negativas foram assinaladas por Amazonas (-1,1%) e Ceará (-1%).

Considerando todas as regiões, a produção da indústria brasileira variou 0,1% em fevereiro No entanto, frente a fevereiro de 2016, a atividade fabril caiu 0,8%, após avançar 1,4% em janeiro, quando interrompeu 34 meses consecutivos de resultados negativos nesse tipo de comparação. Em 12 meses, a produção industrial acumula queda de 4,8%, permanecendo no ritmo de queda que começou em junho de 2016 (-9,7%). Nos dois meses de 2017, a indústria variou positivamente 0,3%.

Variação interanual

Em relação a fevereiro de 2016, a indústria caiu em nove dos 15 locais pesquisados. De acordo com o IBGE, fevereiro, com 18 dias úteis, teve um a menos do que no mês do ano anterior que teve 19.

Mato Grosso (-11%) assinalou a perda mais intensa, pressionado, principalmente, pelo recuo na produção do setor de produtos alimentícios (carnes de bovinos congeladas, frescas ou refrigeradas, tortas, bagaços, farelos e outros resíduos da extração do óleo de soja e óleo de soja em bruto). Bahia (-4,6%), Pará (-4,2%), Espírito Santo (-3,2%), Ceará (-2,5%), Pernambuco (-2,2%), Região Nordeste (-2,1%) e São Paulo (-1,6%) também registraram perdas mais elevadas do que a média da indústria (-0,8%). Goiás (-0,2%) também apresentou recuo na produção nesse mês.


Nenhum comentário:

Postar um comentário